Política

Pacheco diz que CPIs serão lidas em plenário e instaladas após as eleições

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou ontem (5), que fará a leitura em plenário de requerimentos que pedem a instalação de Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI) na casa legislativa, mas os colegiados só deverão funcionar depois das eleições.

O entendimento foi alcançado em reunião de líderes, realizada na manhã de ontem. A maioria dos representantes das bancadas defendeu as apurações, mas alegou que o momento eleitoral, com a privação de tempo e indisponibilidade de muitos parlamentares, poderia prejudicar os trabalhos.

A expectativa é que, até o fim desta semana, Pacheco autorize a criação da CPI do MEC, que tem por objetivo investigar denúncias de corrupção e tráfico de influência no Ministério da Educação durante a gestão do ex-ministro Milton Ribeiro, e outras comissões de investigação.

Conforme revelou o jornal O Estado de S.Paulo em uma série de reportagens, pastores tinham influência sobre o ex-ministro Milton Ribeiro, intermediavam encontros com prefeitos e cobravam propina em troca de liberação de recursos da educação para os municípios.

Está na fila aguardando leitura em plenário um requerimento para a instalação de CPI para apurar obras paradas no MEC, de autoria do senador Carlos Portinho (PL-RJ), líder do governo na casa legislativa. A investigação, neste caso, miraria gestões anteriores na pasta, durante os governos do PT.

Também deverá ser autorizada a instalação para a CPI do crime organizado, protocolada pelo senador Eduardo Girão (Podemos-CE), que pede para investigar o narcotráfico e a atuação de facções criminosas. Assim como nos demais casos, os trabalhos devem ficar para depois das eleições.

“O Senado, integralmente, reconhece a importância das CPIs para investigar ilícitos no MEC, desmatamento ilegal na Amazônia, crime organizado e narcotráfico, escreveu o presidente Rodrigo Pacheco em seu perfil oficial no Twitter.

“Os requerimentos serão lidos em plenário por dever constitucional e questões procedimentais serão decididas”, continuou.

“Porém, a ampla maioria dos líderes entende que a instalação de todas elas deve acontecer após o período eleitoral, permitindo-se a participação de todos os senadores e evitando-se a contaminação das investigações pelo processo eleitoral”, concluiu.

Desta forma, os trabalhos deverão ocorrer somente a partir de novembro, restando pouco tempo para as investigações antes do fim da legislatura − que marcará uma mudança na composição das casas legislativas, embora o Senado renove apenas 1/3 de seus assentos em 2023.

O encaminhamento representa uma derrota para a oposição, que a duas semanas do início do recesso parlamentar tentava emplacar a CPI do MEC. As investigações seriam outra forma de pressionar o presidente Jair Bolsonaro (PL) e produzir novos fatos negativos à sua candidatura à reeleição.

Autor do requerimento, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), líder da oposição na casa legislativa, criticou a decisão e ameaçou ingressar no Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir o funcionamento do colegiado em agosto.

“Comissões Parlamentares de Inquérito são direitos constitucionais de minorias parlamentares. No caso da CPI do MEC, nós alcançamos 31 assinaturas – 4 a mais do que o mínimo necessário para que a CPI seja instalada. Sob a Constituição, não cabe juízo de valor, de oportunidade e de conveniência de quem quer que seja, muito menos do colégio de líderes do Senado Federal”, afirmou.

“Eu aguardarei até amanhã a leitura do requerimento para a instalação da CPI do MEC. Caso não ocorra, não restará, lamentavelmente, à oposição, outra alternativa a não ser recorrer ao Supremo Tribunal Federal”, completou.

A notícia, por outro lado, traz alívio para o Palácio do Planalto, já que afasta um risco adicional à campanha do presidente Jair Bolsonaro. O governo, desde o aumento das pressões pela instalação da CPI do MEC, intensificou a distribuição de emendas a parlamentares em uma tentativa de desmobilizar os esforços da oposição e aumentou a pressão pela criação de outras CPIs que já estavam na fila.

Passo a passo de uma CPI

Para que CPIs sejam instaladas no Senado Federal, é necessária a apresentação de requerimento por um parlamentar, com ao menos 27 assinaturas. O texto precisa ser lido pelo presidente da casa legislativa em plenário, sem prazo determinado pelo regimento.

Caso o número mínimo de signatários seja mantido até meia-noite do dia da leitura do parecer em plenário, as lideranças dos blocos partidários precisam indicar representantes para compor o colegiado. Também não há prazo para o envio da lista.

Depois da indicação dos integrantes, a CPI realiza sua primeira sessão, que marcará a escolha de presidente, vice-presidente e relator. O colegiado tem duração regular de 90 dias, com possibilidade de prorrogação por decisão da mesa diretora do Senado Federal.

Não há limite de CPIs a serem instaladas, mas o regimento interno da casa legislativa determina que cada senador só pode participar de duas comissões ao mesmo tempo (sendo uma como titular e outra como suplente), o que dificultaria o funcionamento de muitos colegiados simultaneamente.

InfoMoney

Leave a Comment

Your email address will not be published.

You may also like

Política Relevantes

Ministro da Economia dará detalhes corte orçamento na segunda-feira (22)

post-image

Em pronunciamento à imprensa após reunião da área econômica com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Palácio do Planalto, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, anunciou uma contenção de R$ 15 bilhões na execução orçamentária de 2024. A medida é para que o Governo Federal cumpra as exigências previstas no arcabouço fiscal e preserve a meta de déficit zero das despesas públicas prevista para o fim do ano.

De acordo com o ministro, serão R$ 11,2 bilhões em bloqueios e R$ 3,8 bilhões em contingenciamentos de despesas. Haddad afirmou que a medida seria originalmente anunciada no dia 22, mas que o Governo Federal preferiu antecipar para evitar especulações.

“Como na última vez, trouxemos os números da área econômica para fazermos um entendimento sobre a determinação que o presidente Lula nos deu, de cumprimento do arcabouço…

Read More
Política

Não vamos cortar o salário mínimo”, reafirma Lula

post-image

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a negar que vá tomar qualquer medida de corte de orçamento público que envolva a redução do salário mínimo para as parcelas mais pobres da população, como aquelas que recebem da Previdência Social. Em entrevista à TV Record, ele destacou que o crescimento da riqueza no país deve ser distribuído de forma equitativa para todos.

“Quando alguém fala que eu deveria desvincular o salário mínimo da Previdência Social. O mínimo, já diz, é o mínimo. Não tem nada mais baixo que o mínimo. Então, eu não posso cortar o mínimo, que já é o mais baixo de tudo. Quando você tem que dar aumento do salário mínimo, você faz a reposição inflacionária. Se a inflação foi 3%, você repõe 3%. O crescimento do PIB nos últimos dois anos, a média, a gente…

Read More
Política Relevantes

Informações sobre as Eleições Municipais de 2024 estão reunidas em uma página própria no Portal do Tribunal Superior Eleitoral

post-image

As principais informações sobre as Eleições Municipais de 2024 estão reunidas em uma página própria no Portal do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na internet.
A seção Eleições 2024 busca facilitar o acesso pelo público a temas fundamentais sobre o pleito deste ano. O primeiro turno das eleições ocorrerá em 6 de outubro e o segundo em 27 de outubro, onde for necessário.

O espaço contém informações sobre o Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), o calendário eleitoral, o canal do mesário, as normas e documentações sobre o pleito, as missões de observação eleitoral, assim como matérias que resumem informações sobre a urna eletrônica e o processo eleitoral. As usuárias e os usuários também encontrarão dados adicionais sobre legislação, segurança, candidaturas e partidos políticos, totalização e resultado das eleições.

Serviços-Por meio da página Eleições 2024, as eleitoras e…

Read More
Política Relevantes

Registro de candidaturas: TRE-BA promove palestra para partidos políticos amanhã (09)

post-image

Partidos políticos atuantes na Bahia poderão participar de palestra sobre registro de candidaturas promovida pelo Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) na próxima terça-feira, 9 de julho, às 17 horas. O evento é organizado pela Seção de Gerenciamento de Registro de Dados Partidários e de Candidatos (SERPAC) e terá transmissão ao vivo pela TV TRE-BA no Youtube. 

Segundo Jonas Dias, chefe da SERPAC, o encontro online trará informações gerais e novidades sobre registro de candidaturas trazidas pela Resolução TSE nº 23.729/2024, também esclarecerá dúvidas sobre federações, coligações e documentos necessários no processo. “O objetivo também é estabelecer uma troca para esclarecer dúvidas que possam surgir no decorrer dos registros. A expectativa é da participação de partidos, advogados, delegados, contadores e da sociedade em geral”, afirmou. 

Nas Eleições Municipais 2024 os partidos políticos, federações e coligações têm até…

Read More
Política Relevantes

Faltam 3 meses para as eleições: conheça 6 oportunidades de fiscalização da urna

post-image

O primeiro turno das Eleições Municipais 2024 acontece no dia 6 de outubro. Ou seja: estamos a três meses do dia em que mais de 156 milhões de eleitoras e eleitores irão às urnas eletrônicas escolher novos prefeitos e vereadores para os próximos quatro anos.

Confira nesta matéria seis oportunidades de auditoria e fiscalização que garantem a segurança do sistema eletrônico de votação brasileiro. 

1. Código-fonte de acesso público  – O código-fonte da urna eletrônica é um conjunto de instruções às quais os sistemas eleitorais, desenvolvidos pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), obedecem. É ele que determina como um programa vai funcionar. O seu computador, por exemplo, tem código-fonte próprio. 

A disponibilização do código-fonte da urna para auditoria é um procedimento obrigatório e realizado pelo TSE. A auditoria é realizada desde 2002 e está prevista…

Read More
Política Relevantes

Ministra defende criação de marcos da cultura para evitar retrocessos

post-image

A ministra da Cultura, Margareth Menezes, defende a institucionalização da cultura no país, para evitar retrocessos como em governos anteriores. Ao afirmar que “cultura não é supérfluo”, a ministra classificou as ações do atual governo de “reconstrução”.

“Reconstrução para materializar o fazer cultural como política de Estado. É necessário que estabilizar esse universo da arte, com direitos e marcos, para conseguir se fortalecer”, disse a ministra. “O momento é agora.”

Em declarações feitas durante lançamento de programas de fomento da Fundação Nacional de Artes (Funarte), no Teatro Dulcina, no Rio de Janeiro, Margareth Menezes citou medidas recentes, como a criação do Sistema Nacional de Cultura e do Marco Regulatório do Fomento à Cultura.

Um dia depois de o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, ter anunciado que o governo prepara um corte de R$ 25,9…

Read More
Política Relevantes

Colaboradores de cartórios eleitorais iniciam capacitação visando os trabalhos nas Eleições 2024

post-image

As servidoras e os servidores dos cartórios eleitorais do Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE) iniciaram esta semana, uma capacitação visando os trabalhos nas Eleições 2024. O treinamento, promovido pela Seção de Desenvolvimento Organizacional e Capacitação (Sedoc) em parceria com a Secretaria Judiciária (SJ), Secretaria de Auditoria (SAU) e com a Comissão de Mesários, segue até a próxima sexta-feira (5), no Centro Administrativo do TRE-PE, localizado no bairro do Bongi, no Recife.

No treinamento, os servidores vão se atualizar sobre os procedimentos do registro de candidatura, treinamento de mesários e prestação de contas. Nesses dois primeiros dias de curso (1 e 2 de julho), o assunto abordado foi o registro de candidatura. “Além da abordagem aos aspectos legais do registro de candidatura, haverá também treinamento para o uso dos sistemas que são utilizados para os pedidos de registro. As convenções…

Read More
Política Relevantes

“Não teremos sossego nas eleições sem a regulação”, diz ministro

post-image

A ameaça de golpe na Bolívia transformou o 12º Fórum de Lisboa no cenário para fortalecer a posição do Supremo Tribunal Federal (STF) de guardião da democracia no Brasil.

Os três ministros da Corte que discursaram no último dia do evento, na sexta-feira, enfatizaram a defesa do Estado Democrático de Direito.

Como dois violinos na mesma toada, Alexandre de Moraes, relator do inquérito dos atos golpistas do 8 de Janeiro de 2023, e Flávio Dino, ministro da Justiça à época, foram incisivos em suas falas.

Moraes classificou as articulações para o golpe de “novo populismo digital extremista”. O ministro ressaltou que sempre houve grupos tentando desvirtuar a democracia, mas que o desafio atual é entender como eles acharam terreno fértil para se difundir.

“Para que possamos garantir que a vontade do…

Read More