Quase meio século do Golpe Militar e o Brasil ainda sente seu efeito

No meio dessa confusão, foi realizada eleição plebiscitaria em 1963, tendo os eleitores decidido pelo fim do parlamentarismo e a volta do presidencialismo.

A lei eleitoral que vigorava no Brasil em 1959 permitiu a eleição à Presidência da República, de Jânio Quadros, da chapa direitista da UDN e, como seu vice-presidente, João Goulart, que pertencia às forças da esquerda, através da coligação do PTB/PSD em 1960. Os esquerdistas eram considerados comunistas e, os direitistas, democratas. A mesma direita que apoiava o presidente Jânio Quadros, pressionava-o para o não cumprimento de seus projetos de campanha, até a cúpula das Forças Armadas, o que o fez renunciar ao cargo de Presidente da República, no dia 25 de agosto de 1961, ato que surpreendeu a toda nação brasileira e, em especial, ao seu vice João Goulart, que estava fora do país.

Com essa renúncia, depois de muita polêmica, assumiu o governo brasileiro o vice João Goulart, o Jango, descendente do getulismo. Aquela altura, ministros militares já não aceitavam a posse de Jango, pelo seu passado progressista de esquerda, e muito próximo dos movimentos populares e sindicais emergentes àquela época. Após muita celeuma, houve uma negociação política entre Congresso Nacional, Cúpula Militar e Tropas Legalistas, que possibilitou a posse de Jango.

João Goulart tinha passado pela China comunista e não contava com o apoio das Forças Armadas. Ele quase foi impedido de tomar posse, pois seus opositores tentaram lhe tirar esse direito, mudando as leis, mas, sem êxito. Jango, como era chamado, assumiu o cargo, mesmo sem o apoio da maioria dos políticos e, principalmente, dos militares, mas como o Congresso Nacional aprovou e instituiu através de Ato Adicional, o parlamentarismo no Brasil, os ânimos foram acalmados porque mesmo João Goulart sendo o Presidente da República, o poder e o comando das ações ficava com o Primeiro Ministro, Tancredo Neves. Nessa época, o país estava mergulhado em uma séria crise econômica e política. Os partidos de esquerda não davam credibilidade ao governo, deixando a população insegura e indecisa, enquanto que os de direita planejavam um golpe de Estado.

No meio dessa confusão, foi realizada eleição plebiscitaria em 1963, tendo os eleitores decidido pelo fim do parlamentarismo e a volta do presidencialismo. Nessa nova fase de governo presidencialista, Jango propôs mudanças políticas e econômicas para o país, as quais chamou de Reformas de Base, que davam ênfase às reformas agrária, trabalhista e do ensino. Foi imediata a reação dos conservadores contra tais mudanças. Com o apoio da embaixada americana, no dia 30 de março de 1964, os governadores de São Paulo, Minas Gerais e do Rio de Janeiro iniciaram uma revolta militar em Minas Gerais e pediram que Jango se afastasse dos sindicatos e esquecesse as reformas, em troca de apoio. Jango, porém, não aceitou as exigências impostas, mas não lutou para permanecer no poder, decidindo, então, buscar exílio político no Uruguai.

Haviam muitos militares interessados num golpe de Estado e na consequente tomada do poder. Assim, na noite de 31 de março de 1964, os militares destituíram o presidente João Goulart e instalaram o regime militar no Brasil. O presidente da República passou a ser escolhido pelos chefes militares. Cabia ao Congresso apenas aprovar o nome por eles indicado.

Em 31 de março de 1964, o Brasil sofreu uma revolução radical em sua trajetória política, que marcou profundamente a vida do país. Esse dia 31 de Março foi o ícone dessa chamada revolução que, capitaneada pelas Forças Armadas, depôs o Presidente da República, João Goulart, eleito democraticamente e empossou marechais das Forças Armadas no governo brasileiro, por mais de 20 anos.

Vários mandatos parlamentares foram cassados e, 15 dias depois, assumiu a Presidência da República, através do Ato Institucional nº1, o primeiro dos presidentes militares, o marechal cearense, Humberto de Alencar Castelo Branco.

O Golpe Militar, também chamado de Revolução, para os seus autores ou Golpe de Estado para outros, ou também processo revolucionário, teve início desde a eleição do Presidente Jânio da Silva Quadros e do seu vice-presidente João Goulart, de maneira reservada até culminar com a renúncia de Jânio Quadros, em 1961. A partir desse instante, criaram-se as condições para a chamada “Revolução”, que se efetivou em 1964.

Com a deposição do Presidente Jango, líderes civis como Ulisses Guimarães e Amaral Peixoto (do Partido Democrático Social – PDS), Bilac Pinto e Pedro Aleixo (da União Democrática Nacional – UDN) protagonizaram, da parte do Congresso Nacional, tentativas de dar direção política àquela situação. Porém, à frente de fato do governo estava uma Junta Militar, composta pelo general Costa e Silva, do Exército, brigadeiro Correia de Melo, da Aeronáutica e o vice-almirante Rademaker, da Marinha.

Nessa década de 60 iniciou-se um período de grandes modificações na economia brasileira, a começar pela modernização da indústria e dos serviços, da concentração de renda, da abertura ao capital estrangeiro e do endividamento externo. Os movimentos políticos e sociais dessa época foram intensos e radicais, exemplificados pela presença da censura, pela perseguição a líderes políticos, prisão e tortura (com muitos desaparecidos), pelo chamado terrorismo e pelas guerrilhas.

Nesse longo período da história negra do País ou do chamado Regime Militar, o Brasil teve vários Presidentes que governaram através de atos institucionais e complementares. O governo do Marechal Humberto Castelo Branco (1964 a 67), do também Marechal Costa e Silva (1967 a 69), da Junta Militar (de agosto a outubro de 1969), do Presidente Médici (1969 a 74), de Geisel (1974 a 79), e de João Figueiredo, também conhecido como João dos Cavalos (1979 a 85), que deu início ao processo transitório de volta à democracia.

Nessa época, o país estava mergulhado em séria crise econômica e política. O MDB, partidos de esquerda, aliado a outros partidos na clandestinidade, não davam credibilidade ao governo, deixando a população insegura e indecisa, enquanto a direita planejava um novo golpe de Estado. Foram 21 anos marcados por cassação de direitos políticos, censura, perseguição, prisão, tortura e até assassinato de diversos opositores da ditadura, incluindo artistas, jornalistas, estudantes e líderes sindicais. Somente em 1985 um civil voltou a ser eleito, ainda que indiretamente, para a presidência do país: Tancredo Neves, falecido pouco antes da posse. O vice José Sarney acabou assumindo o cargo e as primeiras eleições diretas pós-ditadura ocorreram cinco anos mais tarde. A voz da intelectualidade se calou. O bom debate foi proibido, projetos suspensos, ideais engavetadas. O giz que traçava as linhas do pensamento não rabiscou mais o quadro negro. Negro também ficou o dia e a história do Brasil, durante esse período, até hoje conhecido como “o período negro da ditadura”.

A repressão que calou vozes criou um vazio que tornou cinzento os anos seguintes. Até os dias atuais estamos lutando para resgatar os valores perdidos, como as organizações estudantis, os sindicatos, dentre outros movimentos. Em minha opinião acho que o Movimento Cívico-Militar representou muito para o povo brasileiro, 48 anos em que os militares apagaram a luz do País. O Brasil ficou tão escuro que ninguém conseguiu enxergar o futuro. Foi atendendo ao chamamento popular, trazido por multidões em passeatas nas grandes cidades, que esses militares retornaram aos quartéis para livrar o País da desordem, da indisciplina e da corrupção que se alastravam pais a fora, pondo em perigo as instituições e o Brasil como um todo.

Como dizia minha querida mãe, dona Elisa Patriota: “não tem mal que não traga um bem”. O Brasil, depois desse período negro, ganhou destaques interno e internacional em todos os setores. Parabéns aos corajosos patriotas que enfrentaram a ditadura e conquistaram a democracia brasileira.

 Gonzaga Patriota é Contador, Advogado, Administrador de Empresas e jornalista. Pós-graduado em Ciência Política e Mestre em Ciência Política e Políticas Públicas e Governo e Doutorando em Direito Civil, pela Universidade Federal de Buenos Aires – Argentina. É Deputado desde 1982.

Leave a Comment

Your email address will not be published.

Política Relevantes

Ebrahim Raisi, presidente do Irã, morre em queda de helicóptero

post-image

O presidente iraniano, Ebrahim Raisi, morreu aos 63 anos na queda de um helicóptero, confirmou o Ministério das Relações Exteriores do Irã nesta segunda-feira (20).

Raisi, que foi eleito em 2021 e tinha mandato até 2025, era a segunda pessoa mais importante do Irã, atrás apenas do aiatolá Ali Khamanei, líder supremo do país e de quem o atual presidente era um protegido e possível sucessor. Segundo o blog da Sandra Cohen, a morte de Raisi deve disparar uma disputa feroz pelo cargo.

Segundo a imprensa oficial iraniana, o helicóptero caiu numa região montanhosa do Irã em razão das más condições climáticas durante um voo que transportava Raisi e outras autoridades que voltavam do Azerbaijão.

A queda da aeronave ocorreu entre as aldeias de Pir Davood e Uzi, na província iraniana de Azerbaijão Oriental,…

Read More
Política

Lula cobra agilidade de ministros para liberação de auxílio a moradores do RS

post-image

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) cobrou agilidade de ministros para a liberação do auxílio a moradores do Rio Grande do Sul que foram afetados pelas enchentes.

Muitas pessoas perderam itens pessoais, roupas, eletrodomésticos, móveis, carros e até mesmo as casas em que moravam.

A cobrança foi feita ao longo de um almoço no Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência da República, em Brasília, neste sábado (18).

O pagamento do benefício no valor de R$ 5,1 mil foi anunciado nesta semana e é voltado às famílias que sofreram perdas nas enchentes. A medida provisória que autoriza os pagamentos já foi publicada, mas a portaria com os detalhes da liberação dos valores ainda está sendo construída.

Os ministros relataram ao presidente os principais desafios para garantir que os pagamentos…

Read More
Política Relevantes

Pesquisa: para 55% da população, Lula não merece ser reeleito em 2026

post-image

Por Rosana Hessel

A primeira edição da pesquisa Genial/Quaest sobre a eleição presidencial de 2026 mostra que, se a eleição fosse hoje, 55% da população não daria nova chance ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Enquanto isso, 42% apoiam a reeleição do petista e os 3% restantes, não sabem ou não responderam, de acordo com o levantamento divulgado ontem.

A pesquisa mostra que 47% dos eleitores poderiam votar para reeleger Lula, mas 49% rejeitam o atual chefe do Executivo. E, assim como na eleição de 2022, Lula tem maior apoio no Nordeste, onde o percentual dos entrevistados que dariam nova chance ao petista é de 60%. Entre os mais pobres, o atual presidente mantém a popularidade, pois entre os que ganham até dois salários mínimos 54% votariam no petista contra 43% que responderam o contrário….

Read More
Política

Período de fechamento do cadastro eleitoral se estenderá até o dia 5 de novembro de 2024

post-image

Desde a última quinta-feira, dia 9 de maio, o cadastro eleitoral está encerrado para solicitações de alistamento, transferência e revisão eleitoral.

O período de fechamento do cadastro se estenderá até o dia 5 de novembro de 2024, conforme determina a Resolução Nº 23.737, de 27 de fevereiro de 2024, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Após essa data, o cadastro será reaberto e o atendimento aos eleitores será retomado nas unidades da Justiça Eleitoral em todo o país.

Os 150 dias em que o cadastro eleitoral permanecerá fechado são destinados à organização das Eleições Municipais de 2024, que ocorrem no dia 6 de outubro (1º turno) e, nos municípios em que  houver 2º turno, acontecerá no dia 27 do mesmo mês.

Alguns serviços permanecerão disponíveis pela internet, como a emissão de certidões…

Read More
Política Relevantes

Eleitora apresenta documento falso em atendimento do TRE-BA e é conduzida em flagrante para Polícia Federal

post-image

Uma mulher foi conduzida em flagrante para a sede da Polícia Federal em Salvador, no bairro Água de Meninos, depois de apresentar documento de residência falsificado durante atendimento no Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA). As informações são do Bahia Notícias, parceiro da redeGN.

De acordo com o TRE-BA, o episódio aconteceu nesta segunda-feira (6), quando um servidor da 11ª Zona Eleitoral e a Polícia Judicial do TRE-BA notaram a conduta da eleitora do interior da Bahia. 

A Corte confirma que este é o segundo caso flagranteado pelo TRE-BA em menos de uma semana. “O Órgão segue atento nessa reta final de fechamento do Cadastro Eleitoral para coibir práticas ilícitas, que implicam na segurança das eleições”, afirma o tribunal em nota.

Após a realização do boletim de ocorrência, a suspeita foi levada para audiência…

Read More
Política Relevantes

Governo e Congresso preparam ‘orçamento de guerra’ com pacote de socorro ao RS

post-image

O governo federal e o Congresso Nacional discutem a elaboração de um “orçamento de guerra” com um pacote de socorro ao Rio Grande do Sul. O Estado enfrenta uma calamidade devido às chuvas, que deixaram 75 mortos, além de desaparecidos e desabrigados. Em várias cidades, há imóveis destruídos, além de estradas e pontes colapsadas.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) levou uma comitiva de ministros, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e o presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Bruno Dantas, para visitar as áreas atingidas.

Ao levar o grupo para o Rio Grande do Sul, o objetivo do governo é construir um pacote de socorro com respaldo financeiro e jurídico, assim como ocorreu na pandemia de covid-19. O governador do Estado, Eduardo Leite, afirmou que a situação exige um tratamento de “pós guerra”.

No momento,…

Read More
Política Relevantes

Investimentos de mais de R$ 65 milhões em obras de pavimentação e melhorias para Campo Formoso são anunciados

post-image

Ontem, sábado (4), o governador Jerônimo Rodrigues visitou o distrito de Pacuí, em Campo Formoso, onde anunciou uma série de investimentos e o início de importantes obras para o município.

Os projetos divulgados ultrapassam a marca de R$ 65 milhões, com destaque para o início das obras de pavimentação em dois trechos da Rodovia BA-220, totalizando 45 km.

O primeiro trecho, entre Tuiutiba e Vila dos Pauzinhos, terá uma extensão total de 32 km, com um investimento de R$ 26,7 milhões. Já o segundo trecho, entre Vila dos Pauzinhos e Araras, contará com 13 km de pavimentação, representando um investimento de mais de R$ 11,4 milhões.

” Isso aqui é o significado da importância que nós damos à interiorização do desenvolvimento. Passar um carro em uma pista feita com asfalto, o carro transporta uma…

Read More
Política Relevantes

Não vai ter limite orçamentário para ajudar o RS, diz ministro

post-image

O governo federal irá montar um escritório permanente em Porto Alegre para acompanhar as operações de socorro ao estado, que vive a maior tragédia de sua história por causa das fortes chuvas. 

Os ministros da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, Paulo Pimenta, e da Integração e do Desenvolvimento Regional, Waldez Góes, irão neste sábado para a capital gaúcha. 

Em entrevista à TV Brasil, o ministro Paulo Pimenta disse que o escritório funcionará até que todas pessoas sejam resgatadas. Centenas de famílias estão ilhadas em diversas áreas do estado com difícil acesso em razão do alto volume dos rios e o mau tempo e 68 pessoas estão desaparecidas. Mais de 8 mil pessoas já foram resgatadas.

O governo federal já disponibilizou embarcações para os resgates, caminhões, retroescavadeiras para desobstrução das vias….

Read More